ESTE BLOG PRETENDE ABORDAR OS DIVERSOS TEMAS RELACIONADOS À SAÚDE DE FORMA SIMPLES, DIRETA E ABRANGENTE.

14/11/2009

Parto Normal - Deixe essa idéia nascer em você.


É hora de lembrarmos porque hoje em dia o parto tornou-se um assunto exclusivamente médico-hospitalar. Nos hospitais privados, as taxas de cesariana chegam a 90% enquanto a taxa recomendada pela Organização Mundial da Saúde é de até 15%! Apesar disso, nossas taxas de mortalidade materna e infantil estão entre as maiores do mundo.

Em vários lugares do mundo, o parto é visto de uma forma muito natural e simples, e nem por isso levianamente. A separação dos partos por tipos aconteceu em decorrência do nosso sistema obstétrico ginecológica, a classificação ficou óbvia: "Parto Normal" ou "Cesariana". Não havia alternativa. Se a mulher não conseguia dar à luz nessas condições padronizadas, ia para a cesárea.No Brasil “o serviço particular cerca de 80% dos partos são cesáreas e 20% são normais”. Os motivos para o elevado índice do parto cesárea são por comodidade da mãe e do médico que controlam a situação do parto, marcando dia e horário para o nascimento, diferentemente do parto normal, em que a natureza determina o dia e horário.
Outro motivo é o financeiro. Muitas instituições privadas têm como objetivo o lucro em detrimento de assistência e, portanto o parto cesárea é mais lucrativo.

No Brasil os médicos geralmente são mal-remunerados, principalmente os que são conveniados com os planos de saúde, e por isso precisam trabalhar em mais de um lugar. Por prestarem serviços em vários lugares, não têm tempo de ficar monitorando as parturientes nas seis ou mais horas de trabalho de parto de um parto normal.
Os planos de saúde poderiam ajudar a reverter os altos índices de cesarianas oferecendo mais estímulo ao médico tanto do ponto de vista financeiro, pagando melhor o parto normal, como no aspecto de humanização do parto.
Na rede publica a economia é grande, a tendência é não abusar da tecnologia. Essa economia traz vantagens para a mãe e o bebê onde é a natureza que tem o controle do parto e o médico está presente para acompanhamento e intervenção só se for preciso. Mas a principal razão da queda no número de cesáreas foi às medidas tomadas pelo Ministério da Saúde para incentivar a realização de partos normais.
Cabe ao médico indicar o tipo de parto mais adequado para cada mulher e a gestante deve aceitar ou de questionar a escolha. Mas se a gestante pode ter o seu filho de parto normal e o médico indica a cesárea, há um desrespeito ao direito da mulher.

Disponível em http://www.amigasdoparto.com.br/ - acesso em 14/10/2009

9 comentários:

  1. Muito interessante esse post!
    Ao invés de indicar a melhor opção tanto para mãe quanto para o bebê, há médicos que indicam o que é mais lucrativo (e mais cômodo) para eles...

    ResponderExcluir
  2. Richard,

    Mais uma vez, os interesses financeiros influenciam as nossas atitudes. Isto, nada mais é do que, mais um fruto da alta concentração de renda que temos neste país e em tantos outros."Ou você é senhor do dinheiro e será o seu servo".
    Antonia Edileuza

    ResponderExcluir
  3. Richard,
    voce que uma pessoa hiper antenada a tudo o que acontece...
    A Tv noticiou amplamente o fato de uma mulher ter o seu bebê em sentada na cadeira do hospital e em vez de ser atendida pelos
    profissionais da saúde, quem a socorreu foi
    seu marido.
    Infelizmente fatos como esse tem que ser
    mudados...Por isso é tão importante discutir
    esse Tema.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Meninas obrigada pelos comentários, mas quem é a autora desta postagem é a JosY.

    Muito obrigada de coração

    ResponderExcluir
  5. é isso ai adri...
    boa sorte

    ResponderExcluir
  6. Bem a que não é aconselhável é fazer uma cesariana sem que haja necessidade", Para gerar "lucro" para Organizações. Para além de todas as discussões a respeito, o fundamental é que a mamãe e o bebê desfrutem de toda as informações e infra-estrutura necessárias para que possam, uma continuar e o outro nascer saudável. Somente assim "parto" deixará de ser sinônimo de coisa difícil e passará a ser visto como deve ser: um fato normal da vida. Mulherada

    Parabens pela materia

    ResponderExcluir
  7. Olá Josy, muito bacana o seu post.

    Assisti a uma matéria na TV sobre os dois tipos de partos e fiquei decepcionada com o que tem sido revelado sobre a cesariana: médicos que não querem perder o final de semana, mães q querem q o filho nasça numa data especial, custo do parto normal para os hospitais e profissionais. O pude concluir é q vários motivos corroboram para o gde. número de cesarianas no Brasil, sendo q todo mundo tem sua parcela de culpa. Um dos problemas q vi é q mães não têm informações claras, precisas e confiáveis sobre os dois tipos de partos, ficando vulnerável à opinião do médico q confia, que as induzem como se essa fosse a "melhor" forma de parto. Eu acho até que, numa situação de complicação a mãe deve optar, indiscutivelmente pela cesárea, caso contrário o parto normal é sempre a melhor escolha.
    Não sou radical, apenas acredito no bom senso, sempre! Esse assunto envolve algo tão belo que mesmo as polêmicas devem ser tratadas com beleza, né?
    Parabéns pelo blog, pelos assuntos e pela sua força Josy em especial. E espero que todos vocês continuem levantando essa bandeira da saúde! Abraços

    ResponderExcluir
  8. Parto Normal que lindo é uma atitude de amor é fantástico.As mulheres deveriam aproveitar mais pois é uma atitude tão linda e uma sensação de prazer muito grande.E uma bençao de Deus e devemos agradecer muito esse previlegio.Sempre que possa,sempre que der sem complicações "faça sim um parto norma".Parabéns pelo o tema.Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Josybartolomeu7@hotmail.com27 de novembro de 2009 23:21

    A minha bandeira neste blog é a saúde da mulher, é uma questão imensa em SP, Brasil e no mundo.
    Neste texto quero deixar a mensagem que sempre as mulheres tiveram seus filhos através do parto normal e pq hj para não sentir dor, vc tem opção ou imposição da cesarea. Politicamente, economicamente, socialmente não é a melhor opção.

    Obrigada

    ResponderExcluir